Diário de bordo

As montanhas mágicas de Vegas

Nosso segundo e último dia em Las Vegas foi atravessando a Strip, a mais famosa avenida da cidade. Pegamos ela ali do começo no Las Vegas Sign e seguimos pelo 5km de extensão que ela tem. 

A sensação de dirigir por Las Vegas completamente vazia é uma das piores que já sentimos. Nunca mais reclamaremos da lotação de pessoas. A cidade sem os visitantes perde o brilho, o charme da diversão. Os hotéis fecharam para a pandemia, reabriram algumas semanas depois mais alguns fecharam de novo. É histórico entra em um lugar como esse nesse momento. Normalmente é levado 1 hora para atravessar a Strip. Mas fizemos isso em poucos minutos.

Las Vegas

Las Vegas é mundialmente conhecida como a cidade dos casinos, que funcionam 24h por dia. Mas muitas outras atrações também rolam por aqui. Shows, parques, passeios, museus e um dos melhores outlets do mundo (segundo o Duda): o Las Vegas Premium Outlets. É o mesmo outlet que tem em Orlando, mas o de Las Vegas é MUITO melhor e mais barato. #dicatravelandfun

Ficamos no RV Park do Circus Circus, um hotel que fica na Strip. Não sabíamos dessa possibilidade antes de chegar aqui, mas pesquisamos e descobrimos que para quem tem motorhome não é necessário ficar fora da cidade. Pode parar nesse hotel, que inclusive tem banheiro e uma estrutura super legal.

DCIM\101MEDIA\DJI_0478.JPG

Já que não tinha muito o que fazer em Las Vegas, decidimos ir embora. Queríamos ir para Death Valley (Valle da morte), mas o calor é muito grande e não tem como, é praticamente inóspito. A melhor época do ano para visitar o deserto COM CERTEZA não é no pico do verão, como está sendo agora. O calor deixa a gente cansado e também não ajuda com o carro. Alguns problemas elétricos são provenientes das altas temperaturas.

Mas então, em qual sentido seguir?

Decidimos ir sentido Sequoia National Park e parar no meio do caminho para talvez descansar um pouco, afinal, são mais de 8 horas de viagem até lá.

Coincidentemente, paramos no maior posto de gasolina do mundo. Tem mais de 100 bombas de gasolina e uma conveniência chamada Terrible’s Road House. Decidimos comer no White Castle, uma hamburgueria diferente das americanas convencionais e super interessante. Essa foi a primeira vez que a Pathy comeu esse lanche.

Daí então, fomos rumo ao Seven Magic Mountains, um aglomerado de pedras no meio do Deserto de Mojave.

Seven Magic Mountains 

A Seven Magic Mountains fica na Interstate 15, bem pertinho de Vegas, literalmente no meio do Deserto de Mojave. É uma enorme obra de arte ao ar livre e extremamente colorida que consiste em sete totens fluorescentes que medem de 9,1 a 10,6 metros de altura e é feito de pedras locais. É bastante visível por toda a estrada da Interstate 15. 

Segundo o artista, as sete montanhas mágicas simbolizam o limite entre o natural (pedras, terra, montanha, ventos, lago, etc) e o artificial (cidade e construção, rodovia e trânsito)

Deserto de Mojave

O Deserto de Mojave é um deserto árido e mais seco da América do Norte. Está localizado entre Nevas e Califórnia e ocupa 124.000 quilômetros quadrados, além de áreas estendidas entre Utah e Arizona. O clima desse deserto é hostil e muito quente. Alguns pontos turísticos, como o Vale da Morte, fica nele, assim como os lagos cheios de sal. O maior cemitério de aviões do mundo também fica nessa região. Curioso, não é? As temperaturas ali podem variar de 48°C a -13°C.

Decidimos então sair um pouco do rumo e ir pra uma cidadezinha fantasma que tem um RV park pra gente passar a noite. A Pathy encontrou ela no mapa e fomos na sorte. É uma parada no meio do nada, literalmente. Pena que quando chegamos estava tudo fechado. E agora? Vamos para o plano B.

Achamos um RV Park com conexão de eletricidade para recarregar a van mais para frente na estrada rumo à California. É o Desert Springs RV Park. Custa 40$ a pernoite, e você precisa pagar para quase tudo ali (água, esgoto, piscina, picnic, pescaria, banho, lavanderia). É onde decidimos passar a noite até sairmos para a próxima parada. Qual será?

Assista ao episódio sobre essa aventura.

Deixe um comentário